ARTIGOS

Você está em - Home - Artigos - Amilóide plasmático e tau como biomarcadores de demência na síndrome de Down : revisão sistemática e meta-análises

Amilóide plasmático e tau como biomarcadores de demência na síndrome de Down : revisão sistemática e meta-análises



Indivíduos com síndrome de Down(DS) estão em alto risco de desenvolver a doença de Alzheimer (DA). Descobrir biomarcadores confiáveis ??que poderiam facilitar o diagnóstico precoce de DA e ser usado para prever / monitorar o curso da doença seria extremamente valioso. Para examinar se analitos no sangue relacionados a placas amilóides podem constituir tais biomarcadores, realizamos metanálises de estudos comparando os níveis plasmáticos de amilóide beta (A?) entre indivíduos com SD e controles, e entre indivíduos com SD com e sem demência. PubMed, Embase e Google Scholar foram pesquisados ??para estudos que investigam a relação entre as concentrações plasmáticas de A? e demência na SD e 10 estudos que incluem coletivamente> 1600 adultos, incluindo> 1400 indivíduos com SD, foram incluídos. O RevMan 5.3 foi utilizado para realizar meta-análises. Meta-análises mostraram maior A? 40 no plasma(SMD = 1,79, IC 95% [1,14, 2,44], Z = 5,40, p <0,001) e neis de A? 42 no plasma (SMD = 1,41, IC 95% [1,15, 1,68], Z = 10,46, p <0,001 ) em indivíduos DS do que os controlos, e revelaram que os indivíduos DS com demência tiveram maior do plasma Ap 40 níveis (SMD = 0,23, IC 95% [0,05, 0,41], Z = 2,54, p = 0,01) e inferior a? 42 / a? 40 proporções (SMD = -0,33, IC 95% [-0,63, -0,03], Z = 2,15, p = 0,03) do que indivíduos com SD sem demência. Nossos resultados indicam que o plasma A? 40os níveis podem constituir um biomarcador promissor para prever o status de demência em indivíduos com SD. Investigações adicionais usando novos testes ultra-sensíveis são necessárias para obter resultados mais confiáveis ??e investigar até que ponto esses resultados podem ser generalizáveis ??para além da população de SD. Este artigo está protegido por direitos autorais. Todos os direitos reservados.

Fonte: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/31389176

VEJA TAMBÉM:



Texto Original



Individuals with Down syndrome (DS) are at high risk of developing Alzheimer's disease (AD). Discovering reliable biomarkers which could facilitate early AD diagnosis and be used to predict/monitor disease course would be extremely valuable. To examine if analytes in blood related to amyloid plaques may constitute such biomarkers, we conducted meta-analyses of studies comparing plasma amyloid beta (A?) levels between DS individuals and controls, and between DS individuals with and without dementia. PubMed, Embase and Google Scholar were searched for studies investigating the relationship between A? plasma concentrations and dementia in DS and 10 studies collectively comprising > 1600 adults, including > 1400 individuals with DS, were included. RevMan 5.3 was used to perform meta-analyses. Meta-analyses showed higher plasma A?40 (SMD = 1.79, 95% CI [1.14, 2.44], Z = 5.40, p < .00001) and plasma A?42 levels (SMD = 1.41, 95% CI [1.15, 1.68], Z = 10.46, p < .00001) in DS individuals than controls, and revealed that DS individuals with dementia had higher plasma A?40levels (SMD = 0.23, 95% CI [0.05, 0.41], Z = 2.54, p = .01) and lower A?42 /A?40 ratios (SMD = -0.33, 95% CI [-0.63, -0.03], Z = 2.15, p = .03) than DS individuals without dementia. Our results indicate that plasma A?40 levels may constitute a promising biomarker for predicting dementia status in individuals with DS. Further investigations using new ultra-sensitive assays are required to obtain more reliable results and to investigate to what extent these results may be generalisable beyond the DS population. This article is protected by copyright. All rights reserved.

VEJA TAMBÉM: